Laboratório Toledo

Acesse e confira o resultado do seu exame online de maneira prática e rápida de onde estiver.

A importância da doação de órgãos

A importância da doação de órgãos


Adote a vida! Seja um doador de órgãos. Você poderá salvar a vida de várias pessoas.

A doação de órgãos além de ser um ato de amor ao próximo é vital para melhorar a realidade dos transplantes no Brasil. Um único doador pode salvar mais de 20 pessoas. Por isso é necessário estar consciente sobre a importância da doação de órgãos.

Apesar de crescer a doação de órgãos no país a rejeição de famílias ainda é grande. Em 2014 aumentou o número de doações. Foram 7.898 órgãos doados, 3% a mais que em 2013. A taxa de doadores também subiu de 13,5 por milhão de pessoas para 14,2 por milhão, no entanto, ficou abaixo da meta proposta pela associação para 2014, que era de 15 por milhão. Além disso, o índice está longe da alcançar o objetivo de 20 doadores por milhão de pessoas até 2017.

Segundo o Ministério da Saúde, que coordena o Sistema Brasileiro de Transplantes, há mais de mil equipes preparadas para realizar cirurgias distribuídas pelo Brasil e 400 unidades prontas para atuarem nessa área.

Outro problema que dificulta a realização dos transplantes é a falta de autorização da família para a cirurgia. Medida pela chamada "taxa de negativa familiar", o índice em 2014 ficou em 46%, apenas 1% menor que em 2013.

É preciso estar consciente que se hoje não estamos precisando de uma doação, amanhã podemos estar do outro lado. Por isso não pense duas vezes em ser um doador.

O cidadão que deseja ser doador não precisa assinar nem pagar nada, basta comunicar sua família para que, caso necessário, o procedimento seja autorizado. A legislação brasileira estabelece que somos todos doadores de órgãos, desde que após a nossa morte um familiar (até segundo grau de parentesco) autorize, por escrito, a retirada dos órgãos. Portanto, é preciso que a família saiba do desejo de doar.

Para doações em vida, o doador deve ter mais de 18 anos de idade e o receptor deve ser cônjuge ou parente consanguíneo (pais, filhos, irmãos, avós, tios ou primos). Se não houver parentesco, será preciso autorização judicial.

Deixe um comentário