Laboratório Toledo

Acesse e confira o resultado do seu exame online de maneira prática e rápida de onde estiver.

Aumentam internações de crianças pelo vírus sincicial

Aumentam internações de crianças pelo vírus sincicial


O outono traz junto os problemas respiratórios e já é alta a demanda por internação de crianças em estado grave.

Em São Paulo os hospitais públicos e privados já estão lotados de crianças em estado grave, com complicações respiratórias.  O clima mais frio trouxe junto a circulação do vírus sincicial respiratório. Esse vírus acomete principalmente crianças de até seis meses de idade.

Segundo os especialistas este ano a variação do vírus está mais forte do que nos anos anteriores. A infecção pelo vírus sincicial afeta os pulmões e pode evoluir para uma bronquiolite afetando seriamente a respiração.

Para detectar o problema é realizado um exame chamado painel viral, que não é coberto pelos planos de saúde.

O VSR (vírus sincicial) é uma das principais causas de infecções das vias respiratórias e pulmões em recém-nascidos e crianças pequenas. É responsável por até 75% das bronquiolites (inflamação dos bronquíolos) e 40% das pneumonias nos períodos de sazonalidade, que começa em outubro e vai até o início da primavera.

Qualquer um pode ser infectado, mas podem desenvolver quadros mais graves bebês prematuros, crianças de até 2 anos, idosos de 60 anos ou mais, pessoas com doenças do coração e do pulmão, transplantados e imunodeprimidos.

A incubação do VRS dura de 4 a 6 dias, e o período de maior contágio é nos primeiros dias. A transmissão se dá pelo contato direto com as secreções do doente (tosse, espirro ou fala) ou pelo contato indireto, por meio de maçanetas, brinquedos etc.


Os sintomas são semelhantes aos de um resfriado comum. Quando há evolução, a criança pode ter febre alta, muita tosse, dificuldade para respirar, adejo nasal (batimentos das asas do nariz), lábios e unhas azulados, chiado no peito, falta de apetite e letargia. Para prevenir o contágio é preciso evitar aglomerações e contato com infectados, lavar a mão frequentemente com água e sabão e aplicar álcool em gel. 

O tratamento é feito com remédios para baixar a febre e aliviar as dores, é preciso fazer repouso, tomar muito líquido e ficar em ambientes umidificados, sem fumaça de cigarro. Pacientes em estado grave devem ser hospitalizados para receber suporte ventilatório e medicamentos como broncodilatadores.

Fontes: Hospital Sabará, site do Drauzio Varella e Ministério da Saúde

Deixe um comentário