Laboratório Toledo

Acesse e confira o resultado do seu exame online de maneira prática e rápida de onde estiver.

Brasil cumpre 13 de 19 indicadores da OMS para prevenção de doenças não-transmissíveis

Brasil cumpre 13 de 19 indicadores da OMS para prevenção de doenças não-transmissíveis


Conferência da Organização Mundial da Saúde divulgou como avançam os países no combate ao tabaco, álcool e na promoção de dietas saudáveis

O Brasil cumpriu 13 de 19 indicadores da Organização Mundial da Saúde para prevenir doenças não-transmissíveis. Os dados foram divulgados dia 20 de outubro em Montevidéu, no Uruguai, durante conferência sobre estratégias para atingir as metas no combate à obesidade, câncer, doenças cardíacas e respiratórias e diabetes, por exemplo.


Douglas Bettcher, diretor da OMS para a Prevenção das Doenças Não-transmissíveis, destacou os países com melhor desempenho até 2017. O Brasil e a Costa Rica são os dois países da América Latina no topo da lista.

O Brasil não conseguiu cumprir duas medidas: restringir as propagandas de bebidas alcoólicas na mídia e dar aconselhamento para prevenir ataques cardíacos à população.

Outros quatro indicadores estão parcialmente atingidos: inclusão de impostos sobre o tabaco; mais campanhas de mídia contra o cigarro; estabelecer restrições para o acesso ao álcool; e a inclusão de impostos na indústria das bebidas alcoólicas.

Entre os itens atingidos, estão, por exemplo, o governo ter uma estratégia multissetorial que integra ações de saúde, eliminar a exposição de fumaça do cigarro a terceiros em lugares fechados, implementar avisos sobre os riscos de saúde nas embalagens de cigarro, além de reduzir sal e gordura saturada nos alimentos.

De acordo com a organização internacional, o conjunto de indicadores é fundamental para atingir as metas mundiais da OMS para 2025.


São elas:


Redução de 30% no consumo de tabaco

Redução de 10% no consumo nocivo de álcool

Redução de 30% na ingestão de sal

Redução de 10% no sedentarismo

Redução de 25% nos casos de hipertensão

Que não aumente o número de obesos e diabéticos

Cobertura de 50% no acesso à remédios

Cobertura de 80% dos medicamentos essenciais e tecnologias básicas



Fonte: G1


Deixe um comentário