Laboratório Toledo

Acesse e confira o resultado do seu exame online de maneira prática e rápida de onde estiver.

Tuberculose rivaliza com Aids em número de mortes

Tuberculose rivaliza com Aids em número de mortes


Em pleno século XXI é inaceitável que a Tuberculose ainda mate milhares de pessoas por ano, alerta a Organização Mundial da Saúde.

Relatório divulgado pela OMS – Organização Mundial da Saúde, mostra que pela primeira vez, as infecções de tuberculose rivalizam com as de HIV/Aids como a principal causa de mortes por doenças infecciosas.

Em 2014 1,1 milhão de pessoas morreram de tuberculose, enquanto que no mesmo período, o HIV/Aids matou 1,2 milhão de pessoas, incluindo 400 mil pessoas que foram infectadas com as duas doenças.

O relatório traz informações de 205 países e territórios. A diretora interina do Médicos sem Fronteiras, Grania Brigden, declarou que o relatório "deve servir como um chamado de alerta de que muito trabalho ainda é necessário ser feito para reduzir os danos dessa doença antiga, mas curável".

Numa época em que a maioria dos casos pode ser tratada com êxito não se pode admitir que ainda ocorram tantas mortes por tuberculose. Desde 2000 43 milhões de vidas foram salvas com a intervenção contra essa doença.

Segundo a OMS, desde 1990 a taxa de mortalidade da tuberculose diminuiu 47%, mas a doença continua provocando milhares de mortes todos os anos devido à falta de acesso a cuidados.

O relatório divulgado no mês passado apontou ainda que para combater a tuberculose é necessário preencher as lacunas na detecção e tratamento, conseguir financiamento e desenvolver novos medicamentos, vacinas e meios de diagnóstico.

Em 2014 foram registrados 9,6 milhões de novos casos da doença. Mas da metade dos casos foi registrada na China, Índia, Indonésia, Nigéria e Paquistão.

O diretor do programa mundial de luta contra a tuberculose da OMS, Mario Raviglione, disse que a doença causa ainda 4.400 mortes por dia. Um número inaceitável numa época em que se pode diagnosticar e curar quase todos os doentes.

Deixe um comentário